JJB - JIC2015

XXXVII Jornada Giulio Massarani

de Iniciação Científica, Tecnológica, Artística e Cultural UFRJ

___________________________________________________________________________________________________________

Impresso em, 19/06/2015

No: 11252

Código: 3873

Área Temática: Modelos Analíticos e de Simulação

Tipo de Apresentação: Oral

Título: INVESTIGANDO O IMPACTO DO ENSINO DE PROGRAMAÇÃO DE GAMES NA APROXIMAÇÃO ALUNO PROFESSOR

Autor(es):

 Igor Bezerra da Rocha Santiago - Bolsa: Sem Bolsa

 Israel Alves Ventura - Bolsa: Sem Bolsa

Orientador(es):

Carlo Emmanuel Tolla de Oliveira - Tipo: Técnico/Administrativo

Érica Calil Nogueira - Tipo: Aluno de Pós-Graduação

Ana Paula Cavadas Rodrigues - Tipo: Colaborador

Resumo:

Hoje em dia é comum haver desavenças ente alunos e professores em sala de aula. Os professores fatigados não encontram mais

forças para manter o controle em sala de aula com alunos desmotivados e atraídos pelo fascínio dos celulares. Os games são a grande

atração do jovem estudante e também se tornam os grandes vilões acusados do baixo rendimento escolar. No entanto, na pesquisa

neurocientífica os games são ao contrário apontados como grandes ativadores das mais nobres funções cerebrais. Neste experimento

procuramos ensinar professores e alunos a programarem seus próprios games. A programação de games conquista a atenção dos

alunos e empodera o professor ao ensinar algo que efetivamente atrai a atenção do aluno

As aulas de programação de games buscam a experiência concreta bruta, que segundo Wallon é indispensável para a construção do

conhecimento. Além disso, coloca-se o ato funcional em prática, que é a atividade que explora as novas possibilidades que o

desenvolvimento orgânico coloca à disposição da pessoa. É notório a reciprocidade entre os integrantes do curso, que é desenvolvido

pelos professores e estagiários que participam do projeto. O foco das descrições e explicações da teoria de Wallon é a relação da

criança com o seu meio, uma relação recíproca, complementar entre fatores orgânicos e socioculturais. Essa relação está em constante

transformação e é nela que se constitui a pessoa. O projeto vai além da diversão ou do desenvolvimento cognitivo, é a coparticipação

dos integrantes, a ajuda mútua, buscando a integração e a reciprocidade de todos os envolvidos, levando ao desenvolvimento pleno da

pessoa. Abaixo reproduzimos o relato de dois alunos que participam do projeto:

Aluno 1: O curso na UFRJ, foi uma grande oportunidade onde pude aprender a programar jogos, e essa é a melhor parte. Quando nós

entramos na sala e desenvolvemos os jogos e escolhemos os personagens, objetos, locais, o jogo é feito no papel para depois pormos

no computador. Ao utilizar os comandos, tais como if (escolha), input, else; entre outros o jogo se desenvolve na nossa frente. Mas, a

parte que eu mais gosto é quando botamos o jogo em prática. Quando perco no jogo ou alguém morre, é o momento mais chato; mas

enfim todo o jogo tem quer ter uma cena dramática, o que posso fazer, jogos são assim. Essa oportunidade deu-me sabedoria para

programar o meu jogo, tenho mais atenção pra ouvir o professor, quando tenho alguma dúvida chamo os monitores, todos sempre

prontos para nos ajudar com as dificuldades que aparecem. Eu não tenho muitas dúvidas sobre o trabalho porque presto bastante

atenção. Pretendo aprender cada vez mais e aproveitar cada minuto desta oportunidade.

Aluno 2: Eu adoro ir para a UFRJ e aprender a fazer o jogo. Gosto do professor , das professoras, todos me tratam bem.Eu aprendo a

programar o jogo, crio dragões, espadas, fogo, cidades, e ainda jogo no final. Eu gosto de criar as coisas fazendo programação.

KIENITZ LEMOS, MYRIAM ; L.R. MOTTA, Claudia ; M. MARQUES, CARLA VERÔNICA ; T. OLIVEIRA, CARLO EMMANOEL ; FRÓES,

MAIRA ; POMPEU E SILVA, JOSÉ OTÁVIO . Fio Condutor Microgenético: uma metodologia para a mediação metacognitiva em jogos

computacionais. Revista Brasileira de Informática na Educação, v. 22, p. 1-17, 2014.

Donohue S. E., Woldorff M. G., Mitroff S. R. (2010). Video game players show more precise multisensory temporal processing abilities.

Atten. Percept. Psychophys. 72, 1120?112910.3758/APP.72.4.1120

Created by carlo at 05/12/2015 às 10:14




Comments

Professor deverei fazer as alterações nesse projeto?
Comentado por apcavadas em 06/12/2015 às 21:26



Somente os participantes de labase podem comentar.

ActivUFRJ version 0.18.1112 - ©2010-2018 NCE/UFRJ